Aditivo no Perse: Haddad negocia e Senado recua, garantindo isenção de tributos para setor de eventos até 2026.






Artigo: Haddad persistente na aprovação do Perse

Persistência de Haddad garante aprovação do Perse

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, demonstrou mais uma vez sua persistência ao conseguir a aprovação do Programa de Recuperação Fiscal de Setores Emergentes (Perse). Criado em 2021 para auxiliar o setor de eventos durante a pandemia, o programa enfrentou desafios, mas Haddad conseguiu atenuar os danos e garantir benefícios às empresas beneficiadas.

O Perse oferece isenção de quatro tributos federais – IRPJ, CSLL, PIS e Cofins – às empresas beneficiadas. Após negociações na Câmara, ficou estabelecido um limite para a isenção: até o ano de 2026 ou atingindo o montante de R$ 15 bilhões, o que ocorrer primeiro. No entanto, surgiu um aditivo no Senado, proposto pela senadora Daniella Ribeiro, que incluía uma correção pela inflação, aumentando o custo em cerca de R$ 2 bilhões.

Haddad, habilidoso articulador, dialogou com a senadora e conseguiu que ela recuasse, restabelecendo o texto aprovado na Câmara. A votação simbólica na noite desta terça-feira resultou na aprovação da matéria, que agora segue para sanção do presidente Lula.

A persistência e habilidade de negociação de Haddad foram fundamentais para o desfecho positivo do Perse, demonstrando a importância do diálogo e da persistência na construção de políticas públicas que beneficiem setores em dificuldades, como o de eventos.


Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo