Trump é acusado de difamação após chamar jornalista de “louca” e “doente” e acusá-la de inventar estupro para vender livro.

Trump compareceu ao tribunal na quinta-feira para se defender da acusação de difamação feita pela escritora E. Jean Carroll, que o acusa de tê-la estuprado nos anos 1990. A jornalista declarou que as alegações feitas por Trump destruíram sua reputação.

O republicano, que já havia sido considerado culpado de agressão sexual e difamação em um caso anterior, enfrenta agora a acusação de difamação da escritora. Em maio do ano passado, ele foi condenado a pagar 5 milhões de dólares a Carroll, mas recorreu da decisão.

Durante o julgamento, Trump insistiu em comparecer ao tribunal para se defender, mas o juiz de instrução Lewis Kaplan limitou sua declaração a três perguntas, às quais ele teve de responder apenas com sim ou não. O magnata mostrou-se visivelmente irritado ao sair do tribunal, afirmando que “isso não é os Estados Unidos”.

Carroll, que costuma ser chamada de “louca” ou “doente” por Trump, afirmou que o magnata inventou o estupro para “vender seu novo livro”. Ela também destacou que as alegações feitas por Trump prejudicaram sua reputação.

Após os argumentos finais, o júri iniciará as deliberações para determinar se houve difamação e estabelecer o valor que deverá ser pago à escritora, caso a acusação seja considerada procedente.

O caso de E. Jean Carroll é mais um capítulo na longa lista de polêmicas envolvendo o ex-presidente Donald Trump, que tem enfrentado diversas acusações ao longo de sua carreira política. A decisão do júri será aguardada com grande expectativa, uma vez que pode ter um impacto significativo na reputação e nas finanças do ex-presidente.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo